9 de nov de 2011

ANTE-PROJETO - Entrega dia 05/12

Ante - Projeto:
Produtos a serem entregues:

1.    Implantação geral, na escala 1:125;
2.    Planta(s) de pavimento(s); na escala 1:75 ou 1:50;
3.    Lay-outs das unidades e esquemas da diversidade tipológica (cortes e plantas – esc. 1:250)
4.    Planta de cobertura, na escala 1:75 ou 1:50;
5.    Cortes, na escala 1:75 ou 1:50;
6.    Elevações, na escala 1:75 ou 1:50;
7.    Maquete volumétrica do conjunto inserida na área, na escala 1:250;
8.    Memorial descritivo;
9.    Perspectivas externas do conjunto com o entorno (inserção urbana);
10.  Perspectivas internas dos espaços e do conjunto

Conteúdo a ser apresentado no Ante Projeto:

1.    Implantação geral
Indicar graficamente a concepção do projeto;
identificar as edificações, as áreas externas (estacionamento e acessos para pedestres, bicicleta, motos e veículos) e os níveis (edificação, áreas externas e acessos), etc.;
indicar a dimensão das edificações e recuos;
apresentar tabela de uso e ocupação do solo e quadro de áreas geral;
apresentar a interface entre o projeto de arquitetura e os projetos complementares (estrutura, instalações: hidráulica, elétrica e telefonia, etc.);
constar a base topográfica (limite do terreno com dimensões, arruamento e calçadas limítrofes, curvas de nível, vegetação existente, orientação solar, etc.);
indicar a locação dos cortes e das elevações a serem apresentados;
indicar sistema de coordenadas.

2.    Planta(s) de pavimento(s)
Indicar graficamente a concepção do projeto;
identificar a compartimentação proposta (interna e externa);
dimensionar horizontalmente, inclusive os vãos e ou aberturas (largura, comprimento e área dos compartimentos);
indicar e locar mobiliário específico e equipamentos hidro – sanitário;
indicar níveis;
indicar sistema construtivo;
indicar prumadas (instalações hidráulicas e elétricas);
apresentar a interface entre o projeto de arquitetura e os projetos complementares (paisagismo, estrutura, instalações: hidráulica, elétrica e telefonia, etc.);
indicar a locação dos cortes e das elevações a serem apresentados;
indicar sistema de coordenadas.

3.    Planta de cobertura
Indicar graficamente a concepção do projeto;
dimensionar horizontalmente (largura e comprimento);
indicar caimento;
especificar os materiais a serem utilizados (impermeabilização, telhas, calhas e rufos, etc);
indicar níveis;
indicar sistema construtivo;
indicar prumadas (instalações hidráulicas e elétricas);
apresentar a interface entre o projeto de arquitetura e os projetos complementares (paisagismo, estrutura, instalações: hidráulica, elétrica e telefonia, etc.);
indicar a locação dos cortes e das elevações a serem apresentados;
indicar sistema de coordenadas.

4.    Cortes
Indicar graficamente a concepção do projeto;
indicar e identificar a compartimentação proposta;
dimensionar (pé direito, laje e altura da edificação);
especificar os materiais a serem utilizados;
indicar sistema construtivo;
indicar prumadas (instalações hidráulicas e elétricas);
apresentar a interface entre o projeto de arquitetura e os projetos complementares (paisagismo, estrutura, instalações: hidráulica, elétrica e telefonia, etc.);
indicar níveis;
indicar sistema de coordenadas.

5.    Elevações
Indicar graficamente a concepção do projeto;
apresentar estudo da fachada (pintura e ou outros revestimentos);
especificar os materiais a serem utilizados.

6.    Maquete “física”
Elaborar maquete em material e escala apropriada para o projeto.

7.    Memorial Descritivo
Especificar os materiais empregados no projeto.

Observações:
Formato para a entrega do Ante Projeto: pranchas em formato A1.
Indicar legenda, notas e carimbo com nome do aluno, instituição, disciplina, professores e todas as informações necessárias a compreensão do projeto.
Inserir nas pranchas finais do projeto referências projetuais, croquis e conceitos explorados na proposta

17 de out de 2011

ESTUDOS PRELIMINARES (ENTREGA 24/10)

Estudo Preliminar: ENTREGA EM 24/10
Produtos a serem entregues:

1. Levantamento de dados;
2. “Croquis” / Estudo de “massas”;
3. Implantação geral, na escala 1:125;
4. Planta(s) de pavimento(s), na escala 1:75;
5. Planta de cobertura, na escala 1:75;
6. Cortes, na escala 1:75;
7. Elevações, na escala 1:75;
8. Maquete “Física”, em escala 1:250;
9. Perspectivas, em escala apropriada;
10. Memorial Justificativo.

Conteúdo a ser apresentado no estudo preliminar:

1.Levantamento de dados
   Apresentar os dados pertinentes à elaboração do projeto como: legislação (uso e ocupação do solo, código de obras, bombeiro, etc.), levantamento planialtimétrico (limite do terreno com dimensões, arruamento e calçadas limítrofes, curvas de nível, vegetação existente, orientação solar, etc.), levantamento aerofotogramétrico, levantamento fotográfico do local e o levantamento das potencialidades do local.

2.“Croquis” / Estudo de “Massas”
Apresentar todos os estudos, rascunhos e idéias abandonados elaborados para a concepção e desenvolvimento do projeto a partir da leitura de projetos “emblemáticas” da história da arquitetura identificando os principais conceitos adotados, através de critérios de leitura e análise de projetos arquitetônicos.

3.Implantação geral
Indicar graficamente a concepção do projeto;
identificar as edificações, as áreas externas (estacionamento e acessos para pedestres, bicicleta, motos e veículos) e os níveis (edificação, áreas externas e acessos), etc.;
indicar a dimensão das edificações e recuos;
apresentar tabela de uso e ocupação do solo e quadro de áreas geral;
constar a base topográfica (limite do terreno com dimensões, arruamento e calçadas limítrofes, curvas de nível, vegetação existente, orientação solar, etc.);
indicar a locação dos cortes e das elevações a serem apresentados.

4.Planta(s) de pavimento(s)
Indicar graficamente a concepção do projeto;
identificar a compartimentação proposta (interna e externa);
dimensionar horizontalmente (largura, comprimento e área dos compartimentos);
indicar mobiliário específico e equipamentos hidro – sanitário;
indicar níveis;
indicar a locação dos cortes e das elevações a serem apresentados.

5.Planta de cobertura
Indicar graficamente a concepção do projeto;
Dimensionar horizontalmente (largura e comprimento);
indicar caimentos,
especificar os materiais a serem utilizados (impermeabilização, telhas, calhas, rufos, etc);
indicar níveis;
indicar a locação dos cortes e das elevações a serem apresentados.

6.Cortes
Indicar graficamente a concepção do projeto;
identificar a compartimentação proposta;
dimensionar verticalmente (pé direito, laje e altura da edificação);
especificar os materiais a serem utilizados;
indicar níveis.

7.Elevações
Indicar graficamente a concepção do projeto;
apresentar estudo da fachada (pintura e ou outros revestimentos);
especificar os materiais a serem utilizados.

8.Maquete física
Elaborar maquete em material e escala apropriada para o projeto contendo o entorno.

9.Perspectivas
Apresentar perspectivas em escala apropriada para o projeto.

10. Memorial Justificativo
Descrever o processo de elaboração e definição do projeto.

Material deverá ser postado no blog e entregue em pranchas A1 (594 x 841).

5 de ago de 2011

APT64C- EDIFÍCIO VERTICAL - ETAPAS

ETAPA 1 - Leitura e resenha crítica de textos (entrega dia 22 ago)
  • LOUREIRO, C.; AMORIM, L. Dize-me teu nome, tua altura e onde moras e te direi quem és: estratégias de marketing e a criação da casa ideal – parte 1 e 2. ARQUITEXTOS: Periódico Mensal de Textos de Arquitetura, Campinas, nº 281, fevereiro de 2005.
  • VILLA, S. B. Mercado Imobiliário e Edifícios de Apartamentos: produção do espaço habitável no século XX.  PORTAL VITRUVIUS, ARQUITEXTOS 078 e 390, Romano Guerra Editora Ltda, São Paulo, Novembro de 2006.
  • RUBANO, L. M., Arquitetura Contemporânea: MVRDV e a experiência holandesa. III FÓRUM DE PESQUISA FAU.MACKENZIE I 2007.
  • GONÇALVES, J. C. S.; DUARTE, D. H. S. Arquitetura sustentável: uma integração entre ambiente, projeto e tecnologia em experiências de pesquisa, prática e ensino. Ambiente Construído, Porto Alegre, v. 6, n. 4, p. 51-81 out./dez. 2006. ISSN 1415-8876, 2006, Associação Nacional de Tecnologia do Ambiente Construído.
  • BARROS, R. R. M. P. Habitação coletiva: a inclusão de conceitos humanizadores no processo de projeto. 2008. São Paulo: Annablume, 2011. pg. 75-83.

ETAPA 2 - ANÁLISE DE PROJETOS (entrega 29 ago)

  • O trabalho se centra na análise comparativa de dois edifícios de apartamentos, um convencional ofertado pelo mercado imobiliário e outro produzido por arquitetos de renome que possuam características diferenciadas (nacional ou internacional);
  • O trabalho será realizado em trios;
  • A pesquisa deverá partir do levantamento completo dos edifícios : dados do empreendimento e do arquiteto;
  • Após levantamento completo o aluno deverá elaborar análise detalhada de ambos os edifícios, seguindo ficha de análise dada pelo professor, e compará-las por meio de quadro gráfico síntese.

ETAPA 3 - PLANEJAMENTO DO PROJETO (entrega 21 set)

Condicionantes físicas

  • levantamento topográfico – cortes e esquemas (maquete topográfica)
  • estudo da insolação / ventilação
  • estudo do entorno – fotos, mapas de uso e ocupação, gabarito
  • estudos do acesso – planta de localização imediata e regional
  • restrições municipais – recuos, taxas, c.a, etc
  • normas de acessibilidade – NBR 9050
  • normas específicas – bombeiro, cetesb, etc.

Condicionantes econômica / materiais

  • custos gerais estimados
  • metragens aproximadas
  • materialidades – pesquisa elaborada
  • sistemas construtivos – pesquisa e definições
  • classe social a que se destina
  • localização – estudo do lugar

Condicionantes sócio culturais
  • público alvo – estudo dos aspectos socio-culturais
  • abrangência (bairro, município, regional, estadual, nacional)
  • perfil social
  • perfil econômico
  • perfil cultural
  • lista de atividades (programa de necessidades)

Condicionantes conceituais
  • referências projetuais – pesquisa elaborada
  • referências conceituais (textos)
  • resultados de apo (avaliação pós-ocupação)
  • partido a ser adotado

ETAPA 4 - ESTUDOS PRELIMINARES DO PROJETO (entrega 17 out)
  • Definição dos conceitos - croquis
  • Estudos da forma – elevações, estudos volumétricos, perspectivas
  • Estudos da função – implantação, plantas, etc
  • Estudos da materialidade – definição de materiais e sistemas
  • Estudos de viabilidade do empreendimento: índices, áreas, etc.
  • Implantação com térreo, vias públicas e edificações vizinhas contendo cotas altimétricas,
  • acessos, áreas permeáveis e impermeáveis; (Escala a ser definida com o professor orientador)
  • Plantas dos pavimentos com layout de áreas molhadas; (Escala idem)
  • 02 Cortes; (Escala idem)
  • 04 Elevações, incluindo o entorno; (Escala idem)
  • Perspectivas;
  • Ampliação das unidades mobiliadas; (Escala 1:100)
  • Maquete 1:500 com aberturas e entorno volumétrico

ETAPA 5 - ANTEPROJETO (entrega 30 nov)
  • Planta de situação s/ escala
  • Implantação geral humanizada (1:200);
  • Implantação geral técnica (1:200);
  • Planta(s) de pavimento(s) (1:50);
  • Esquema das tipologias: planta, corte esquemático (1:200);
  • Planta de layout das tipologias indicando área, grupo doméstico e localização no edifício (1:100)
  • Planta de cobertura (1:50);
  • 03 Cortes (1:50);
  • 04 Elevações (1:50);
  • Maquete com entorno, na escala 1:100;
  • Memorial descritivo e justificativo
  • Ver ficha de ANTEPROJETO para inserir todas as informações necessárias

APT64C - EDIFÍCIO VERTICAL - PROPOSTA DO CURSO

EMENTA Desenvolver temas de projetos de arquitetura e/ou urbanismo, em nível de ante-projeto, envolvendo os conteúdos e as práticas disciplinares relativas à sociologia, antropologia e economia na arquitetura e urbanismo, considerando os aspectos ligados à sustentabilidade. Capacitar os alunos para o desenvolvimento de projetos de edifícios verticais, considerando as implicações construtivas necessárias à sua execução, dimensionamento, sistema estrutural, materiais e técnicas apropriadas, conforto ambiental e sua inserção no tecido urbano com o qual deve estabelecer relações.

OBJETIVOS
(I) Apresentar aos alunos evolução histórica das principais tipologias de edifício de apartamentos comumente ofertadas no mercado imobiliário brasileiro, demonstrando a consolidação de modelos de morar;
(II) Apresentar a produção recente, pós anos 2000, de apartamentos no Brasil através da análise crítica dos modelos ofertados atualmente pelo mercado imobiliário apresentando um contraponto à produção de qualidade no cenário nacional e internacional de apartamentos, demonstrando exemplos e metodologias;
(III) Apresentar as questões determinantes do projeto: estrutura, instalações, circulações, atendimentos às normas (NBR 9050, proteção contra incêndio, zoneamento urbano, código de posturas);
(IV) Discutir e apresentar estudos de caso sobre a relação entre a densidade urbana e sua sustentabilidade;
(V) Desenvolver proposta arquitetônica para uma edificação vertical - nível de anteprojeto. Discutir as implicações desse tipo de intervenção em termos do objeto arquitetônico em si (forma/função/estrutura/ambiente/instalações prediais em geral) e para o contexto urbano. 

PROGRAMA
MÓDULO 1.  MODELOS DE EDIFÍCIOS DE APARTAMENTOS NO BRASIL
1.1 Evolução histórica: (i) Apartamentos da Belle Èpoque (passagem do século 19 para o século 20. Décadas de 1910 e 1920); (ii) Apartamento Modernista (de 1930 a 1960); (iii) Apartamento Contemporâneo (de 1970 a 2000). Análise de projetos.
1.2 Morar em apartamentos hoje (século 21): principais tipologias de edifícios de apartamentos – identificação de modelos de morar; principais agentes, papel do marketing, produtos imobiliários; Padrões brasileiros familiares, identificação de novos grupos domésticos (IBGE, IBE; Novas maneiras de morar, necessidades alteradas em função dos equipamentos domésticos e de uso pessoal (celulares, laptops, etc.) e suas conseqüências nos espaços domésticos;

MÓDULO 2. PROCEDIMENTOS PROJETUAIS. ESTUDOS DE CASO
2.1 As seis camadas do edifício (terreno, estrutura, vedações, instalações, espaços interior, mobiliário), os elementos articuladores do edifício (acesso, circulações verticais e horizontais, tipologias, espaços vazios, espaços coletivos, estacionamentos, instalações);
2.2 A unidade habitacional produzindo cidade (espaço público, espaço coletivo, espaço privado);
2.3 Apartamentos de qualidade: referências nacionais e internacionais – estudo de projetos de apartamentos diferenciados: sobreposição de atividades, procedimentos projetuais, uso de flexibilidade espacial.

MÓDULO 3. CONDICIONANTES DO PROJETO DE EDIFÍCIO DE APARTAMENTOS
3.1 Densidade x Qualidade habitacional: índices;
3.2 Questões determinantes do projeto: estrutura, instalações, circulações, atendimentos às normas (NBR 9050, proteção contra incêndio, zoneamento urbano, código de posturas);
3.3 Sustentabilidade da densidade

MÓDULO 4. PROPOSTAS DE EDIFÍCIO DE APARTAMENTOS
4.1 Elaboração de proposta arquitetônica de edifícios de apartamentos na cidade de Uberlândia em terreno e programa dados. O trabalho deverá estruturar-se da seguinte forma: (i) Anotações de aulas e leitura de textos programados; (ii) análise de edifícios escolhidos  identificando procedimentos projetuais de qualidade; (iii) planejamento do projeto - estudo do terreno e das condicionantes; (v) estudos preliminares; (vi) desenvolvimento do anteprojeto.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA
BRUAND, Yves. Arquitetura Contemporânea no Brasil. São Paulo: Perspectiva, 1981.
ENGEL, Heino. Sistemas de estruturas. São Paulo: Hemus, 1981.
HERTZBERGER, Herman. Lições de Arquitetura. São Paulo: Martins Fontes, 1996.
PANER, Julius e ZELNIK, Martin. Las Dimensiones Humanas en los Espacios Interiores: México, Gustavo Gilli, 1984.
SOMEKH, N. A Cidade Vertical e o Urbanismo Modernizador: São Paulo 1920-1939. São Paulo: Studio Nobel/ EDUSP/FAPESP, 1997.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
BARROS, Raquel R. Martini P. Habitação coletiva : a inclusão de conceitos humanizadores no processo de projeto. 2008. Tese (doutorado). Universidade Estadual de Campinas. Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo.
BERQUÒ, E. Arranjos familiares no Brasil: uma visão demográfica. In: NOVAIS, F. (org.) História da Vida Privada no Brasil, v. 4, São Paulo, Companhia das Letras, 1998.
GAUSA, Manuel (org.) Housing. New alternatives, new systems. Barcelona: ACTAR, 1998.
GONÇALVES, J. C. S.; DUARTE, D. H. S. Arquitetura sustentável: uma integração entre ambiente, projeto e tecnologia em experiências de pesquisa, prática e ensino. Ambiente Construído, Porto Alegre, v. 6, n. 4, p. 51-81 out./dez. 2006. ISSN 1415-8876, 2006, Associação Nacional de Tecnologia do Ambiente Construído.(http://seer.ufrgs.br/ambienteconstruido/article/viewFile/3720/2071)
HOMEM, M. C. N. O Palacete paulistano e outras formas de morar da elite cafeeira: 1867-1918. São Paulo: Martins Fontes, 1996
JOHNSON, S. Cultura da Interface: Como o computador transforma nossa maneira de criar e comunicar. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.
KIRSCHENMANN, Jörg C. Vivienda y espacio publico. Rehabiilitación urbana y crecimiento de la ciudad. Barcelona: Gustavo Gili, 1965.
LEMOS, Carlos A.C. Alvenaria Burguesa. São Paulo: Nobel, 1989.
LOUREIRO, C.; AMORIM, L. Dize-me teu nome, tua altura e onde moras e te direi quem és: estratégias de marketing e a criação da casa ideal – parte 1 e 2. ARQUITEXTOS: Periódico Mensal de Textos de Arquitetura, Campinas, nº 281, fevereiro de 2005.(www.vitruvius.com.br/arquitextos/arq000/esp281.asp. Acesso em 26/9/2005).
MINDLIN, H. Arquitetura moderna no Brasil. Rio de Janeiro: Aeroplano, 1999.
REBELLO, Yopanan. A concepção estrutural e a arquitetura. São Paulo: Zigurate Editora, 2000.
REIS FILHO, Nestor Goulart. Quadro da Arquitetura no Brasil. São Paulo: Perspectiva, 1995, 215p.
RIGHI, R.; CASTRO, L. G. R. O produto imobiliário e a arquitetura contemporânea em São Paulo. In: V ENCONTRO DA LARES – LATIN AMERICAN REAL ESTATE SOCIETY. 2005, São Paulo. Anais. São Paulo, 2005.
RYBCZYNSKI, W. Casa: pequena história de uma idéia. Rio de Janeiro: Record, 1996.
RUBANO, Lizete Maria, Arquitetura Contemporânea: MVRDV e a experiência holandesa. III FÓRUM DE PESQUISA FAU.MACKENZIE, 2007.
SEGAWA, Hugo. Arquitetura no Brasil 1900-1990. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1997.
SEGAWA, H. Prelúdio da Metrópole – arquitetura e urbanismo em São Paulo do século XIX ao XX. São Paulo: Ateliê Editorial, 2000.
SEVCENKO, N. A corrida para o século XXI: No loop da montanha russa. São Paulo: Cia. das Letras, 2002.
SERAPIÃO, F. O edifício invisível e a cidade inexistente. REVISTAPROJETO DESIGN, São Paulo: Editora Pini, Edição 241, março de 2000.
----------. Os edifícios-fantasmas e seus ornamentos delinqüentes. REVISTAPROJETO DESIGN, São Paulo: Editora Pini, Edição 290, abril de 2004.
SOUZA, M. A. A. de. A Identidade da Metrópole: a verticalização em São Paulo. São Paulo: HUCITEC, EDUSP, 1994.
TRAMONTANO, M. Novos Modos de vida, novos espaços de morar. São Carlos, EESC-USP, 1993
----------. Novos Modos de Vida, Novos Espaços de Morar. Paris, São Paulo, Tokyo. Tese de Doutorado. São Paulo: FAUUSP, 1998.
VILLA, S. B. Apartamento Metropolitano: habitações e modos de vida na cidade de São Paulo. 2002. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) – Universidade de São Paulo / Escola de Engenharia de São Carlos/ Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, São Carlos.
----------. Morar em Apartamentos: a produção dos espaços privados e semi-privados nos apartamentos ofertados pelo mercado imobiliário no século XXI - São Paulo e Ribeirão Preto. Critérios para Avaliação Pós-Ocupação. 2008. 360f. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) – Universidade de São Paulo / Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, São Paulo.
----------. Mercado Imobiliário e Edifícios de Apartamentos: produção do espaço habitável no século XX.  PORTAL VITRUVIUS, ARQUITEXTOS 078 e 390, Romano Guerra Editora Ltda, São Paulo, Novembro de 2006. www.vitruvius.com.br.
VILLA, S. B.; ORNSTEIN, S. W. Projetar apartamentos com vistas à qualidade arquitetônica a partir dos resultados da Avaliação Pós-Ocupação (APO). São Carlos, SP, 2009. 1º SIMPÓSIO BRASILEIRO DE QUALIDADE DO PROJETO NO AMBIENTE CONSTRUÍDO / IX WORKSHOP BRASILEIRO DE GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETO NA CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. EESC-USP, São Carlos, SP, 2009. Anais.